10/10/2018 11h15

Plano de Contigência define estratégias para ocorrências na Terceira Ponte

Grupo de trabalho concedendo entrevista coletiva na sede da Rodosol.

O grupo de trabalho formado pela Agência de Regulação dos Serviços Públicos do Espírito Santo (Arsp), Ministério Público do Espírito Santo (MPES), Rodosol, Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo (CBES), Polícia Militar do Espírito Santo (PMES) e Guardas Municipais de Vitória e Vila Velha realizou adequações no Plano de Contingência para gerenciamento operacional de crises na Terceira Ponte que existia desde 2016.

 

O anúncio foi feito na tarde desta terça-feira (09), durante entrevista coletiva realizada na sede da concessionária Rodosol, em Vitória.

 

Estiveram presentes o diretor geral da Arsp, Antônio Julio Castiglioni Neto; o diretor promotor de justiça do MPES, Marcelo Lemos; o tenente-coronel do CBES, Áureo Buzatto; o diretor-presidente da Rodosol, Geraldo Dadalto; o coronel comandante da Companhia de Policiamento Ostensivo Especializado (CPOE),  Alexandro Ribeiro de Assis; o secretário municipal de Segurança Urbana de Vitória, Fronzio Calheira e o subsecretário comandante da Guarda Municipal de Vila Velha, Marcio Roberto de Souza Ferreira.

 

Conquanto o Plano preveja medidas operacionais a serem adotadas em diversos casos que podem, eventualmente, ensejar interdição total ou parcial da Ponte, a principal alteração introduzida pela nova versão diz respeito aos casos em que há necessidade de interrupção total do fluxo de veículos, como ocorre nas situações de tentativa de suicídio. 

 

De acordo com a nova metodologia de trabalho, o atual protocolo de salvamento empregado pelo Corpo de Bombeiros para resgate continuará sendo adotado, inclusive, com o isolamento da área para impedir fluxo de veículos, o que auxilia na preservação da segurança dos profissionais atuantes e da pessoa a ser resgatada.

 

Portanto, nestes casos, uma vez identificada a situação de tentativa de suicídio, os acessos à Ponte permanecerão sendo bloqueados. Todavia, até que a autoridade pública com responsabilidade operacional sobre a ocorrência (ou seja, PMES ou CBMES) chegue até o local da ocorrência, os veículos que já estiverem trafegando sobre a Ponte poderão continuar o seu percurso regularmente. Somente após a chegada do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, a área ao redor da ocorrência será isolada. Neste caso, os 4 (quatro) portões localizados na mediana central serão abertos ao longo da Ponte para evacuação dos veículos que ainda permanecerem no local.

 

“O Plano de Contingência apresenta as ferramentas necessárias e as táticas definidas para cada situação de crise na Terceira Ponte que provoque reflexos de congestionamentos, impactando a mobilidade nas vias municipais. Ao todo, são três diferentes graus de crise e cada situação conta com um plano de ação específico, com fluxos de comunicação e ações emergenciais a serem tomadas”, afirma o diretor-presidente da Rodosol, Geraldo Dadalto.

 

Para o diretor-geral da Arsp, Júlio Castiglioni, a “nova versão do Plano reflete as necessidades de melhoria identificadas nas últimas ocorrências”. Porém, Castiglioni pondera que “o perfeito funcionamento do Plano demanda, além de uma perfeita comunicação entre os órgãos, um processo de conscientização dos usuários da Ponte no sentido de que respeitem as orientações das autoridades durante a ocorrência e, sobretudo, que demonstrem empatia evitando comportamento que exponha vítima e profissionais a situações de insegurança”.

 

Detalhes da operação:

 

São consideradas crises grau 1 as ocorrências fora do horário de pico com interdição de uma faixa, que demandem mais de uma hora para serem solucionadas; grau 2 são as situações que exijam interdição de uma faixa durante o horário de pico com previsão de mais de 40 minutos para resolução; e grau 3 são os eventos caóticos, como uma tentativa de suicídio, com interdição total ou de um sentido da Ponte.

 

Para cada uma dessas situações, há um conjunto de procedimentos previstos. De acordo com Geraldo Dadalto, permanentemente, o trabalho é executado por meio do sistema de videomonitoramento 24 horas, que já é realizado pelo Centro de Controle Operacional da Rodosol. Ao identificar um evento fora da normalidade (acidente, veículo parado ou presença de pedestre/ciclista), o operador do CCO aciona o inspetor de tráfego para atendimento à ocorrência. Ao chegar ao local da ocorrência, é realizado o diagnóstico da situação e calculada a estimativa de tempo para liberação da via. Com base nestas informações é definido o grau da crise.

 

“A Rodosol fará a comunicação da situação de crise ao Centro Integrado de Operações de Defesa Social (Ciodes), que repassará a informação à Secretaria de Segurança Pública (Sesp), ao Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), aos agentes de Trânsito da Guarda Municipal de Vitória, ao Corpo de Bombeiros Militar, à Polícia Civil. Será também responsabilidade da concessionária informar aos agentes de trânsito da Guarda Municipal de Vila Velha, à Companhia Estadual de Transporte Urbano (Ceturb), à Agência de Regulação de Serviços Públicos (Arsp), à Secretaria Estadual de Transporte e Obras Públicas (Setop); e às redes de comunicação.

 

Fechamento da Ponte

 

Nos casos de tentativa de suicídio, a Terceira Ponte será totalmente fechada e esvaziada. Caberá à autoridade pública com responsabilidade operacional sobre a ocorrência, CBMES ou PMES, definir outras medidas que poderão ser adotadas.

 

O fechamento da Terceira Ponte será feito pela concessionária. A praça de pedágio localizada em Vitória será fechada e o fluxo de veículos será interrompido com o uso de cones e barreiras plásticas. Os veículos que ficarem retidos nos acessos à praça do pedágio serão orientados a utilizarem via alternativa. Nesta operação, a RodoSol contará com o apoio e a atuação dos agentes do Batalhão de Polícia de Trânsito e dos Agentes da Guarda Municipal de Vitória.

 

Já no sentido Norte, o acesso à Terceira Ponte será fechado e o fluxo de veículos será interrompido também com o uso de cones e barreiras plásticas, na altura da Guarita Sul, localizada em Vila Velha. Os veículos que ficarem retidos nos acessos serão orientados a utilizarem via alternativa. Nesta operação, a concessionária contará com o apoio e a atuação dos agentes do Batalhão de Polícia de Trânsito e dos agentes da Guarda Municipal de Vila Velha.

 

Nos casos de fechamento da Terceira Ponte ao tráfego de veículos, as Guardas Municipais de Trânsito de Vitória e Vila Velha atuarão conforme os planos próprios para fechamento dos acessos à Terceira Ponte e desvio dos veículos para vias alternativas, bem como a evacuação dos veículos que já estiverem retidos nestes acessos.

 

Durante a operação de fechamento da Terceira Ponte, os veículos que já estiverem em cima da Ponte, antes da chegada da autoridade no local da ocorrência, continuarão seguindo viagem. Somente após a chegada do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, a área será isolada, caso em que os portões localizados na mediana central serão abertos para evacuação dos veículos que ainda permanecerem no local.

 

As aberturas e os portões permitirão desviar o tráfego para total evacuação da ponte. Ao todo, são quatro gates com abertura de até 12 metros cada, permitindo que os veículos retornem no sentido contrário.

 

As ocorrências críticas por classificação

Grau 1 – Interdição de 1 faixa FORA do horário de pico, com previsão de mais de uma hora para resolução;

Grau 2 – Interdição de 1 faixa DURANTE horário de pico, com previsão de mais de 40 minutos para resolução;

Grau 3 – Evento Caótico com interdição de um sentido ou total da Ponte.

 

Informações à imprensa:

 

Assessoria de Comunicação da ARSP

Luisi Pessôa

Tels.: (27) 3636.8511 / 99839-1508

comunica@arsp.es.gov.br

 

Consulta 2018/007

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard